domingo, 24 de maio de 2015

Dez maneiras para ensinar uma criança a considerar os sentimentos dos outros

Muitas vezes os adultos procuram ensinar os melhores modos às crianças, como por exemplo pedir por favor, emprestar brinquedos, dizer obrigado, cumprimentar os parentes. E muitas vezes as crianças resistem. Vamos imaginar uma cena: a mãe vai com o filho numa festa familiar e diz para o menino cumprimentar os parentes:


domingo, 25 de janeiro de 2015

A sabedoria de Sofia: como lidar com um menino que não quer ir à natação

(ou, como minha filha de 8 anos já sabe como faz)

Sofia quer dizer sabedoria em grego. E a minha tem de monte. Estava mostrando o post de uma mãe numa comunidade do Facebook, em que a mãe começava perguntando a diferença entre castigo e consequência, combinado e chantagem. No fim, percebi que a dúvida concreta dela era como convencer o filho de 4 anos a ir à natação. A história era mais ou menos assim: Ela estava ameaçando o filho de não ver o desenho que gostava na TV se ele não fosse à natação, e percebeu que isso era chantagem. Depois, perguntou se, ao oferecer um prêmio (a comida predileta dele) se ele fosse, isso era um "combinado".

terça-feira, 8 de abril de 2014

7 coisas que você não deve dizer ao seu filho

Estava lendo um post sobre 7 coisas que você não deve dizer aos seus funcionários, da Revista Pequenas Empresas Grandes Negócios, e achei que poderiam ser adaptadas aos filhos, como 7 coisas que você não deve dizer ao seu filho:

1) "Eu sou seu pai/mãe e você tem que me obedecer": Sério que seu argumento é este? Não tinha nada melhor a dizer? Não dava para explicar o porquê? Não tem como esperar que esse tipo de argumento seja aceito pelas crianças. Se você ensina que "porque não não é resposta", não pode dizer "porque não". Use a simetria, explique, construa uma base de empatia.

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Será que pelo menos 500?

Quase 18 mil visualizações no blog. Não é muito, mas fiquei pensando agora: será que pelo menos 5 mil crianças deixaram de levar pelo menos uma palmada? Será que pelo menos mil pais deixaram (ou decidiram deixar) de bater em seus filhos? Ou pelo menos 500? Puxa, se foi isso, estou super feliz!

Espero que eles ensinem isso a outros pais! E que essa corrente pacifique o mundo...

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Ensinar a não-violência

Quando Sofia passou a ter amiguinhos, brincar com outras crianças em parquinhos e frequentar a escola, passaram a ocorrer casos em que ela era agredida por outras crianças. Mordidas, tapas, puxões de cabelo, empurrões. Eu ensinava (ou tentava ensinar) a revidar. Felizmente, minha filha nunca aprendeu isso que tentei ensiná-la.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Curta nossa página no Facebook

Seguidores

As mais populares

Arquivo do blog